28 maio 2005

Intolerância - parte 1

Tarde de Sexta-feira. Hora de ir, a correr, à Loja do Cidadão
tratar de assuntos urgentes antes do fim de semana.
Uma volta, duas voltas, finalmente um buraco para estacionar.
Saio e, em passo apressado, dirijo-me à Loja. Ouço o meu nome.
Uma colega que não vejo há anos. Tantos que nem sabia que tenho mais de dois filhos.

Como estás, então a tua M. entrou na universidade?
Sim, e teu entra este ano?
Sim, sabes como é, ainda faltam os exames.E o teu A.?
Está no 11º ano, e a T. já entrou para a 1ª classe.
Tu tens mais um filho?
Não, tenho mais dois, e até tive três.
Tu és doida!!! Casaste outra vez?
Não, o marido é o mesmo.
Viraste-te para a religião?
Não, continuo ateia.
Mas tu és doida! Um acidente ainda vá, agora dois?!

A mostarda subiu-me ao nariz, daquelas picantes, de Dijon.
Levantando ligeiramente a voz, expliquei-lhe que nenhum dos meus cinco filhos
nasceram por acidente. Conheço, e utilizo, médotos contraceptivos. Foram todos
planeados, programados e feitos com muita vontade e gozo.
Mesmo assim foi insistindo. Mas porquê, tu és doida?!
Pois sou. Alguém tem que contribuir para a natalidade. Já pensaste que
se todos tiverem um filho, como tu e a tua irmã, não haverá quem trabalhe
para pagar as nossas reformas?
Adeusinho, estou com pressa.

5 comentários:

Anna^ disse...

Eva ,como eu te percebo...aquando da minha 3ªgravidez tb havia quem perguntasse:Então ELA está grávida outra vez???...como se de algo contagioso e grave se tratasse...

Mas dou-te os parabéns pela resposta :)

bjokas e bom fds ":o)

Raquel V. disse...

LOLOL

Realmente é super irritante ver as nossas opções postas em causa como se fossemos malucos e a racionalidade nc pudesse ter entrado.

Meio mundo sabe sempre o que o outro meio deveria de fazer...!!!


Beijinho grande :*

Tão só, um pai disse...

... olha só, se fizessem depender os montantes da reforma do número de filhos ... só teriam direito a 100% da dita os casais que tivessem, pelo menos, 3 filhos ... não haveriam mais escolas abandonadas ...

AnaBond disse...

ahahahhahahhahahahahah

gostei, gostei. na mouche.
(desculpa a frontalidade, mas és cá das minhas)

Misty disse...

Eva, o extremo mau humor impede-me de expressar convenientemente a minha opinião, pelo que dou aqui como reproduzidas as palavras de um menino de 3 anos, filho de um casal meu amigo, que, no meio de um restaurante super chique, sendo acossado pelo empregado mais irritante à face da terra, e que fazia o discurso do "quer-uma-batatinha- fritinha-e-um-hamburguerzinho-com-um-ovinho-estreladinho-blá blá bla..." lhe respondeu com um "vai cagar, ó meu!" do mais seco possível!

Beijo.