29 outubro 2008

Dúvidas existenciais


Durante mais de um século encharcaram-nos os ouvidos com o papão das nacionalizações. Só a livre concorrência e tal garantia postos de trabalho, riqueza e coisas mais. Que só os bancos privados conseguiriam gerar mais valias que, por sua vez, levariam à riqueza de todos nós, ou quase.
Atão e agora é aqui a Lili Papaaçorda que tem que emprestar o tostãozinho para os banqueiros não se afundarem? São os meus a€rios que vão salvar os bancos e ainda me afundam a mão no bolso por forma do empréstimo à habitação?
Ai a minha vida!

27 outubro 2008

Enigma

Leio na Visão
que Filomena Mónica considera que em Portugal não existem mais de três pessoas cultas Ponto

Ora deixa cá ver: uma será a própria, a segunda o marido - António Barreto, então quem raio será a terceira?

22 outubro 2008

Trabalho em progresso



Com o outono estou de volta ao tricot. Já tinha saudades do tec-tec das agulhas e de combinar cores. Ainda não decidimos se será um casaco ou um colete para a filhota pequena.
Nos intervalos fiz um boneco.

14 outubro 2008

O Cavaquinho

Os Gato Fedorento regressaram. Em forma, para nos alegrar os dias e levarmos com melhor humor a subida da prestação da casa, da gasosa e da carcaça. E mais importante, para mim, mobiliza toda a família para o sofá frente à tv. Serão em família.


08 outubro 2008

Caixas e caixotes


Todos os meios de comunicação nos impingem, a cada segundo, uma parafernália de bens. Hoje em dia raramente se entra numa loja, centro comercial, bancas de rua, que não se compre qualquer coisa. Por mim falo. Embora não me seduza passear em centros comerciais nem tenha tempo para "andar por aí a ver montras", de cada vez que arrumo a fundo os armários cá de casa (tento que seja uma vez por ano!), descubro sempre coisas compradas que nunca serviram. Nesses dias o contentor do lixo da minha rua fica a ganhar.
Vem isto a propósito da última grande brincadeira dominical dos meus filhotes mais pequenos. Provaram-me, mais uma vez, que o que é importante é a imaginação e a alegria da brincadeira e não a complexidade ou o preço do brinquedo.
Uma caixa de papelão. Uma caixa que estava na garagem à espera de ir para o papelão.
Ocupou toda a tarde.

04 outubro 2008

O sr. Presidente se não tem nada interessante para dizer, além de descrever a espera das vaquinhas para a ordenha de 7 minutos(!), valia mais estar caladinho e dormir a sesta.

03 outubro 2008