08 outubro 2008

Caixas e caixotes


Todos os meios de comunicação nos impingem, a cada segundo, uma parafernália de bens. Hoje em dia raramente se entra numa loja, centro comercial, bancas de rua, que não se compre qualquer coisa. Por mim falo. Embora não me seduza passear em centros comerciais nem tenha tempo para "andar por aí a ver montras", de cada vez que arrumo a fundo os armários cá de casa (tento que seja uma vez por ano!), descubro sempre coisas compradas que nunca serviram. Nesses dias o contentor do lixo da minha rua fica a ganhar.
Vem isto a propósito da última grande brincadeira dominical dos meus filhotes mais pequenos. Provaram-me, mais uma vez, que o que é importante é a imaginação e a alegria da brincadeira e não a complexidade ou o preço do brinquedo.
Uma caixa de papelão. Uma caixa que estava na garagem à espera de ir para o papelão.
Ocupou toda a tarde.

2 comentários:

Mamã Martinho disse...

As crianças quando querem tem sempre muita imaginação. Eu tinha quando era criança!

Bjs

Mónica

Carla O. disse...

Sabes que os meus sempre gostaram de fazer isso? Aliado ao facto de o pai gostar de os meter lá dentro quando eram pequenos ;)
bjs