29 novembro 2007

Prendas



Sente-se a azáfama no ar. O lema é: "comprar,comprar, comprar".
Talvez compremos, por junto, uns pozinhos de felicidade.
O Pai Natal na varanda, umas luzes em mangueiras de plásticos com cores psicadélicas, um pinheiro plástico chinês com pagode acoplado armado desde o início de Novembro e está aberta a caça ao melhor Natal.


Vamos dar a volta a isto.

25 novembro 2007

Com pantufas novas

um pequeno intervalo.Chegou a minha vez, depois dos filhos grandes, claro.
Até já.



Pantufas


Com a chegada do frio (Viseu está a esmerar-se pelos recordes) pantufas para todos. A receita é, gentilmente partilhada, pela Mamã Martinho.

19 novembro 2007

Aos 5

Mãiiii, o Clermont* está a roer o patete.

*cão

Pronta


A camisola da Teresa já foi hoje para a escola. A tempo da descida de temperatura.
Ficou bonita (gaba-te canasta ...).
Foi uma das pouca coisas que fiz, respeitando integralmente o esquema. Sem costuras dos lados.Quanto a mim, não está bem centrada em relação ao decote mas está como mandava o esquema.

15 novembro 2007

Tradutor de burocracês precisa-se.

Há uns meses precisei de ir, com os meus filhos mais novos, a uma consulta de rotina ao médico de família. Como eu necessitava também de realizar as minhas análises da função tiróidea, pensei em marcar as três consultas para o mesmo dia, para poupar tempo. Pensava eu.
Fui rapidamente informada de tal não ser possível. Existe uma norma no centro de saúde de Viseu que não permite marcar mais de duas consultas, por dia, para a mesma família.
Pasmei. Reclamei.
Mandaram-me de andar em andar (o edifício tem 12!), para me explicarem sucessivamente e à vez que eram normas. Alegadamente para uma família numerosa não poder entupir um médico de família.
Argumentei que assim, uma família numerosa terá de reservar uma semana de férias para as consultas de rotina, ou então alguém deixar de trabalhar, ou de ir ao médico.
Em vão. São normas.

Reclamei no livrinho amarelo.
Meses depois, eis a resposta:






Resumidamente não diz nada, mas é de louvar o pedido de desculpas pela demora na resposta.

12 novembro 2007

Correntes

O Rui pediu com jeitinho.
Sem jeito desafio a Pandora, a Ana, a Alexandra e o AJ

As regras do jogo são: pegar no livro que está mais próximo, abrir na página 161 e transcrever a quinta frase completa dessa página.

" - Ah! Cumpras... hã... muitos! - disse, apertando-me a mão. - Trouxe-te... hã... uma... hã... pequena... recordação... um presente... para... hã... comemorar a ocasião...hum. Ao abrir o embrulho, fiquei encantado por ver que continha um grosso volume intitulado Vida nos charcos e ribeiros. "

A minha família e outros animais - Gerald Durrell

Embora não parecendo é um livro delicioso e hilariante do famoso zoólogo e fundador do zoo de Jersey. Irmão do outro não menos famoso e escritor Lawrence.

Depois de Domingo

vem sempre a segunda-feira.

Um domingo para confirmar que a mãe das miúdas tem razão : Aveiro é mesmo uma cidade esquisita. E para confirmar também, o que eu já desconfiava: os portugueses andam tesos. Como eu.

Mas como o optimismo é a minha imagem de marca, valeu a pena. Além da aventureira que, habitualmente me acompanha nestas maluquices, tive o prazer de descobrir que as miúdas são mesmo giras e mais calmas que a galinha-mãe as descreve e que a mãe das ditas é igual a si própria: eloquente, divertida,tem olhos lindos e estes gorros são mais bonitos ao vivo.
Ainda aprendemos crochet tunisino com uma brasileira pintora.

Tudo somado, multiplicado e dividido chego o resultado: vim mais rica do que fui. O mesmo não se aplica aos a€rios....

07 novembro 2007

Uma boa sugestão para nos livrarmos das sogras incómodas!

Leituras

Desde os fins de Agosto que arrasto este livro comigo.
Já ultrapassei a página 400 e, nos intervalos, já li um policial do Perry Mason, outro do Francisco J. Viegas
e comecei a reler A minha família e outros animais.

Porque me está a ser moroso ler? O livro não é mau, tem muita informação histórica, uma trama amorosa consistente... verosímil.
Já li livros maiores duma assentada (Guerra e Paz, Os Miseráveis)

Só lhe encontro um defeito: é chato, muito chato.
Dá-me sono.

06 novembro 2007

E do velho se faz...

Nesta época de arrumações das roupas de verão, sobram-me sempre t-shirts largueironas, desbotadas, com aquEla nódoa. Que fazer com elas?
Geralmente aproveito-as para panos de limpeza. Este ano apliquei os R's todos.
Tapetes para a gata, cão e o que mais virá.



Cortar pelos lados


Fazer tiras ao longo da t-shirt para o "fio" inteiro, sem cortes












E tricotar ou crochetar







O fio é o mesmo que o trapilho. No caso do trapilho trata-se dum desperdício das fábricas têxteis e, raramente é algodão.