16 maio 2008

Prova de Aferição versus Exame da 4ª classe

Em dia de Prova de Aferição a T. levantou-se antes do despertador, lavou-se, vestiu-se e pediu um menu diferente para o pequeno almoço.
Não evidenciava nervosismo e apenas pediu que fosse eu a levá-la à escola e um beijinho de boa sorte.
Tão diferente do meu Exame da 4ª classe!

Em 1969 (sim) eram o medo, a ansiedade e a vergonha perante o desconhecido que comandavam as nossas tripas. E quando digo nossas incluo a professora, tão ou mais nervosa que nós. Ela também estava em cheque.
A própria estrutura do exame era assustadora.
Fomos fazer o exame numa freguesia distante, alguns dos alunos foi a primeira vez que viajaram de carreira, ou seja de veículo motorizado. Todos de vestido domingueiro, lavadinhos e, de preferência, sem piolhos. Da minha classe apenas 4 prosseguiriam estudos, os outros queriam apenas o diploma da 4ª classe.
Da parte da manhã realizou-se a prova escrita e de tarde a prova oral. Recordo a prova oral, um pouco como uma coisa saída da idade das trevas. Uma menina de dez anos, lavadinha, de vestido a estrear costurado (muito bem) pela mãe,perante um júri, totalmente masculino (eu só conhecia 2 professoras), sentado debaixo do crucifixo com o Américo Tomaz à direita e o Marcelo Caetano à esquerda.A gaguejar as respostas.

Este país, felizmente, mudou muito!

3 comentários:

Márcia Carvalho disse...

caramba!

Mãe da malta disse...

Arriscaria-me a dizer que ainda não mudou suficiente, mas sim, mudou muito!

Mamã Martinho disse...

Espero que lhe tenha corrido bem o exame.

Bjs

Mónica