12 abril 2005

Adolescentes - parte 2

A nossa filhota mais velha é uma inchada aluna do 1º ano da Universidade do Porto.
Entrou no curso que queria e está satisfeita. Até aqui tudo bem.
O problema, sim porque tudo na vida tem que ter algum senão, é que o Porto não é bem aqui ao lado. Teve que arranjar casa, são as viagens, a comida fora da casa da mamã, são as propinas, etc... É uma facada na economia desta família tão grande. E, daqui a um ano,( espero eu) entra o 2º filhote...ai,ai..
Neste fim de semana anunciou, como quem não quer a coisa, à hora da refeição, que precisa urgentemente, (tipo para ontem) do fato académico. Que a minha menina mais maior grande, não pode aparecer nas festas da faculdade sem o traje académico, que todos os colegas já têm... patati,patatá... em resumo será considerada out se aparecer sem ele!
Tentámos argumentar que neste momento não dá jeito termos mais despesas, que os pais são licenciados e nunca usaram capa nem batina...
O resultado foi: ... sermos rotulados de cotas Ponto Final Parágrafo

Andaram as gerações do pós 25 de Abril a exigir uma Universidade democrática, livre,
para todos...
Patati...patatá...

3 comentários:

Anna^ disse...

Ainda hj citei esta frase:filhos criados ,trabalhos dobrados e é bem verdade...eu já tenho os dois + velhos na Universidade e sei dar o valor aos rombos da economia doméstica...pq agora é mês da praxe...pq dps é a queima...pq dps isto...enfim..um nunca acabar de despesas...mas vale a pena...vê-los felizes e realizados não é?

bjokas ":o)

Tão só, um pai disse...

... e via o rótulo! Deixa estar ... eu também tive a sorte de não haverem desses "trajes". Farda de cerimónia e festiva? calça de ganga, com qualquer coisa.

Caínha disse...

A minha filhota, ainda bem, não tem aspirações a morcego. Mas em certas faculdades existe quase uma obrigatoridade, por necessidade de pertença a um grupo, de usar traje, aceitar a praxe...