09 novembro 2005

De pequenino se torce...

Na escolinha do Alexandre há dois meninos bastante violentos. Um tem três (3!) anos, o outro cinco.
O meu piolho começou por dizer: "o Jorgi é mau, dá tau-tau no Alex", no dia seguinte pegou num pau e disse que era para dar tau-tau no Jorgi.
Perguntei às educadoras e fiquei de queixo caído com a resposta. Sim é verdade, o Jorge bate em toda a gente: nos meninos, nas funcionárias e educadoras, quando lhe ralham diz que vai dizer ao pai. Nunca o conseguem sentar ou convencê-lo a participar nas actividades.Quando colocaram a questão à mãe ela disse que em casa também é assim e riu-se.
Hoje quando o levei ao infantário encontrei-me com a tal mãe a levar o "famoso" filho e pus a questão em frente da educadora e duma funcionária: "então tu é que és o Jorge, o Alexandre queixa-se que tu lhe bates?!" - Resposta pronta da mãe: "Pois, ele é muito activo!"
Trocámos olhares incrédulos com as educadoras. A educadora mais velha foi mais rápida a reagir informando a mãe que já tinha dado autorização aos meninos para se defenderem das agressões.
"Façam com entenderem" resmungou com ar ofendido e virou costas.


Ouço frequentemente às minhas amigas professoras que os miúdos estão cada vez mais mal educados e violentos. Entre eles e com os adultos.


Cada vez me parece mais que estamos a educar uma geração de ditadores. A geração dos filhos únicos, prepotentes, controladores. Interrogo-me sobre o porquê e, muito sinceramente, creio que a culpa é nossa, dos pais, das mães. Somos desculpadores, permissivos, vivemos em função da criança (muitas vezes única e tão desejada) e anulamo-nos como seres adultos conscientes. Tornámo-nos crianço-dependentes.
Desculpamo-nos com o trabalho excessivo e falta de tempo para fugirmos à nossa responsabilidade fundamental: educar os nossos filhos para a responsabilidade, para viver com os outros e não por cima dos outros.

Dizer NÃO pode ser a maior prova de amor.

13 comentários:

Anónimo disse...

Best of Free Money Finance: Millionaire Next Door, Part 3
For those of you who may have missed some of these, here's part 3 of Free Money Finance's best posts from the "MND" category: Want to be sure you don't miss any great money saving tips? Consider subscribing to ...
Find out how to buy and sell anything, like things related to instant road repair on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like instant road repair!

Anna^ disse...

Hoje em dia gera-se uma certa confusão entre o ser demasiado permissivo com o ser um pai(mãe)porreiro.E daí a má educação q muitas crianças/adolescentes demonstram,habituados a serem controladores e não controlados,a serem chantagistas e não chantageados e por aí fora...
Abra-se uma escola tb para os adultos onde se ensine q a frase"A nossa liberdade termina onde começa a dos outros",não deve ser uma frase em desuso!

bjokas e gostei deste post e de te ver "mexer" ;)))))

Fica bem!!

sm disse...

Concordo plenamente, se bem que esta seja a opção mais difícil a curto prazo, acho sempre que é a preferível, porque a longo prazo esta é a solução mais fácil para eles e para nós. Pelo menos é o eu digo a maior parte das vezes para me convencer a mim própria e que dá trabalho, dá!!

Irrita-me imenso aqueles paizinhos que quando a educadora lhes diz: Pai, o menino x mordeu o menino y, tem que falar com ele, não pode ser assim... e o pai a rir responde: Eu sei, eu sei, ele lá em casa também é assim!!!

Com pais assim...

:(
Sandra

Carla O. disse...

Mais uma vez "na mouche"! E acho que tens razão Eva. Muitas vezes o meu alarme toca quando por cansaço permito uma ou outra coisa... Mas se há coisa que quero deixar bem presente nos meus piscos é o respeito: pelos outros (a começar nos pais) e por eles.
Hoje em dia acha-se muita piada a determinadas coisas dos meninos apenas porque sim, ou pq é engraçado...
Beijo grande,
Carla e piscos

(PS - Eu vou bem :). Agora estou novamente de cirurgia marcada. Obrigada :))

AnaBond disse...

disseste tudo na última frase.

também a mim me faz confusão... e o meu filho é tão calminho. até demais, pois permite tudo, não se sabe defender (e com isto não quero dizer que quero que ele bata, apenas defenda).

e sou a primeira a dizer a primeira falha é dos pais... detesto aqueles que culpam logo as escolas e os professores...
só aí se mostra como tão mal estamos informados.

carla disse...

Assino por baixo, devido a existir um menino assim lá na escolinha é que o meu filho o ano passado teve o acidente que teve e a mãe passado uns dias disse-me: "Sabe ele é assim já nem sei o que fazer"

Arghhhh

Beijocas

Fitinha Azul disse...

São situações muito complicadas porque se em casa eles têm toda a permissão do mundo, depois na escola fazem ainda pior porque se não respeitam os pais pior fazem às educadoras/auxiliares/colegas. A tua última frase disse tudo!
Beijinhos

Anna^ disse...

Eva,
Bom S.Martinho e óptimo fds :)

bjokas ":o)

Bumfi disse...

Queres uma ajuda para as tuas prendas de natal? Temos um pequenito site com coisinhas feitas à mão. Se quiseres, visita-oFlumfi Productions

TMara disse...

sobre a tua conclusão: oh se pode! mas no k relatas penso k a palavra chave (expressa) será "activo", e a n/ expressa: vencedor. Erradas ideias do k é ser um vencedor na vida. Claro k da parte dos educadores (pais em 1º lugar e por aí fora - se omenino bate em toda a agentem adultos incluídos, desculpa mas o k fazerm as educadoras? Passam a responsabilidade de se defenderem p/ as outras crianças e não educam...penso eu de k....) boa semana. Bjs de luz e paz :)

Raquel V. disse...

Há muitas gerações que se diz q os miúdos estão cada vez piores...
Ora o mundo n tem andado p melhor... e agora os dois pais trabalham fora.
E os miúdos passam pelos infantários, avós, pais... cada local com as suas regras. Acho que muitos decidem criar regras pessoais.

Raquel V. disse...

PS: Uma beijoca grande!!!

Pedaço de Amor disse...

Muito certa sua colocação. Hoje não se pode mais dizer não a crianças...Mas se deveria... Sou educadora em uma escola no Brasil etenho visto alguns casos parecidos com este. É uma pena... Um abraço